Assimagra

Recursos Minerais de Portugal

PRIMEIRO SEMESTRE FECHA COM CRESCIMENTO DAS EXPORTAÇÕES DE PEDRA NATURAL



O primeiro semestre de 2021 encerra com as exportações de pedra natural a crescer 20,3% em volume de negócio (213 milhões de euros) e 27,6% em quantidade exportada (1 106 mil toneladas) face ao período homólogo 2020, como se pode ler no gráfico abaixo.



Há, contudo, que considerar que o crescimento em quantidades exportadas é substancialmente superior ao crescimento de volume de negócios o que faz com que a oscilação de preço, em comparação com o semestre homólogo de 2020, seja negativa em -5,47%.



Quando comparado com o semestre do ano passado, o volume de negócios é de mais 36 milhões de euros, correspondendo a mais 237 mil toneladas de produto. O mercado da União Europeia continua a ser o que mais contribui para o desempenho global, com um crescimento de 20,67%. Os países da EFTA, OPEP e PALOP apresentam variações negativas, ainda que ligeiras, apontando-se apenas o facto de que a contribuir negativamente para a variação global de preço praticado, surgem os PALOP com uma quebra de 38,57%.

Os principais mercados continuam a ser a China, com uma variação de 20,49% em volume de negócio, correspondente a mais 116 mil toneladas de produto e com uma subida de preço de 4,71%, seguida da França, com uma variação de 24,13% em volume de negócio, correspondendo a mais 51 mil toneladas de produto, mas com uma quebra nos preços na ordem dos quase -13%. A fechar o top 3 dos mercados destino surge novamente a Espanha, com uma variação positiva de 8,85% e mais 36 mil toneladas de produto, quando comparada com o homólogo de 2020, mas também com uma quebra de preço médio da tonelada exportada de -12,60%. Dos 10 primeiros mercados destino da pedra natural portuguesa, todos os mercados sobem o preço médio da tonelada de produto exportado, à exceção dos mercados já apontados, França e Espanha. Nas subidas de preço destaca-se a Suécia com uma subida do preço médio de 27,75%.



Junho 2021 apresenta-se em linha com os anteriores 3 meses deste ano, apresentando uma estabilização do volume de negócios em torno dos 37 milhões de euros mensais, que se verificam desde março. Mantendo-se esta tendência durante o segundo semestre é expectável que se possam atingir os valores de exportação de 2019, melhor ano de sempre do setor, ou até mesmo ultrapassar essa marca.



Para mais detalhes, descarregue o Boletim Mensal da Estatística do Comércio Internacional.