Estes dados referem-se à execução do mês de outubro de 2021, que, apesar de serem ainda valores provisórios, apontam já que as exportações de pedra natural portuguesa estão em linha com os valores obtidos no mês homólogo que 2019. Os valores mensais acumulados mostram um crescimento de 16,71% em volume de negócio, correspondendo a mais 52 milhões de euros, e um crescimento de 19,75% em quantidade de produto exportado, correspondente a mais 304 mil toneladas que em 2020. O mês de outubro de 2021 apresenta assim 363 milhões de euros de exportação, com apenas um diferencial de menos 300 mil euros de volume de negócio internacional, quando comparado com 2019. A esta performance de volume de negócio, correspondem 1,8 milhões de toneladas de produto exportado, o que é praticamente equivalente aquilo que foi o total do ano de 2020, em termos de quantidade de produto. Mantém-se a tendência de recuperação do preço médio por tonelada de produto, que neste momento apresenta uma quebra de 2,54%, em relação ao mesmo mês de 2020.

O mercado europeu continua a ser o mais expressivo, tanto em volume de negócio como na quantidade de produto exportado, sendo este também responsável por contrariar a quebra de preço médio por tonelada, com um crescimento de 0,28%. Por seu lado, os países da EFTA e PALOP são os que mais contribuem para a persistência da quebra de preço médio por tonelada de produto, com quebras de 14,51% e 29,80%, respetivamente.

O mercado chinês continua a liderar o ranking das exportações de pedra natural, com um volume de negócio superior a 78 milhões de euros e 674 mil toneladas de produto, apresentando, respetivamente, um crescimento de 39,24% e 31,67%. Sublinha-se aqui também a tendência já verificada no decorrer do ano de 2020, com um crescimento de produto transformado para a China a apresentar um crescimento na ordem dos 71%, em volume de negócio. Segue-se a França, com um crescimento de 16,02% (67 milhões de euros) em volume de negócio, que correspondem a mais 18,42% em quantidade de produto exportado (250 mil toneladas). Em terceiro lugar encontra-se a Espanha, com um crescimento de 11,35% em volume de negócio e de 19,72% em quantidades exportadas. Contrariamente à China, a França e a Espanha apresentam quebras no preço médio por tonelada exportada de 2,02% e 6,9%, respetivamente, enquanto a China cresce 5,75%. A fechar o top 5 dos destinos surgem a Alemanha e o Reino Unido.

Outubro foi um mês relativamente atípico, quando comparado com a evolução que se tem vindo a verificar ao longo de todo o ano. Não é de todo um mês “negativo”, contudo, apresenta uma forte quebra quando comparado com o homólogo de 2019, encontrando-se inclusive abaixo do volume de negócio verificado no homólogo de 2018.

Para mais detalhes, descarregue o Boletim Mensal da Estatística do Comércio Internacional.